spot_img
InícioMercadoCarro elétrico vai ficar mais caro nos próximos anos no Brasil; entenda...

Carro elétrico vai ficar mais caro nos próximos anos no Brasil; entenda o motivo

Governo confirma retomada da cobrança de impostos gradativa até atingir os 35% aplicados atualmente nos veículos a combustão

A cobrança de impostos de importação para carros elétricos será retomada no Brasil ao longo dos próximos três anos. A informação foi confirmada por Uallace Moreira, secretário do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC) em entrevista à Reuters.

Segundo Moreira, a cobrança dos impostos zerados em 2015 será retomada gradativamente até atingir os 35% aplicados atualmente nos veículos a combustão. O cronograma e os prazos para a medida são discutidos no governo.

“O que podemos fazer para estimular a produção local? Tornar as importações um pouco mais difíceis e caras”, disse Moreira. O secretário pontuou também que a mesma medida foi adotada em outros países.

A cobrança será retomada para estimular a produção local em um momento de ebulição das vendas de marcas chinesas. Fabricantes como BYD e GWM entraram com força no mercado nacional e apostam na eletrificação.

A Caoa Chery já oferece carros híbridos e elétricos no Brasil, enquanto a Jac Motors optou por abandonar completamente o segmento de veículos a combustão.

Estímulo à indústria nacional

Fábrica da GWM em Iracemápolis (SP) — Foto: Divulgação

Márcio de Lima Leite, presidente da Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), defendeu a volta da cobrança em coletiva realizada no último dia 6.

O executivo afirmou que a retomada do imposto de importação de carros elétricos é um consenso entre todas as marcas da Anfavea, mas sugeriu a criação de um arranjo de cotas para permitir preços mais competitivos para a produção local.

As novatas BYD GWM adquiriram fábricas no Brasil, em Camaçari (BA) e Iracemápolis (SP), respectivamente. A intenção é produzir carros elétricos nacionais no futuro. Antes, os complexos pertenciam à Ford e à Mercedes-Benz.

Fonte: Reuters

Notícias mais lidas